Cadastre-se em nossa newsletter para ler este e outros artigos.

Doses semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas os lançamentos da ELLE!
Inscreva-se gratuitamente.

  • ASSINE NOSSA NEWSLETTER
  • O melhor da ELLE direto no seu inbox! Inscreva-se gratuitamente.
  • INSCREVA-SE AQUI
Moda

Bem-vinde à Casa Led

Led apresenta nova coleção na SPFW N51 com direito a video musical de Alice Caymmi, Bibi Caetano, Dani Vieira e Davi Sabbag.

Fotos: Henrique Tarricone, Italo Gaspar e Fernanda Tiné
PUBLICIDADE

O que vem à sua cabeça quando pensa em casa? Conforto, proteção, acolhimento, família… Provavelmente, um pouco disso tudo. No caso da comunidade LGBTQIA+, porém, o termo casa, bem como a ideia de família, é carregado de especificidades.

Exclusão familiar e preconceito dentro do próprio ambiente doméstico são alguns dos motivos que levam boa parte dessas pessoas à obrigação de construírem novas famílias, muitas vezes com amigos. Não à toa, casa é também o nome usado para definir os grupos formados dentro da cultura ballroom, onde os laços não são sanguíneos mas a conexão é familiar.

"Essa é a Casa Led, onde você pode ser e usar o que sonhar", explica Célio Dias, estilista e fundador da LED, sobre a ideia por trás de sua nova coleção, de verão 2022, apresentada na SPFW. O designer mineiro tem a marca desde 2014 e chama a etiqueta de agênero, politizada e slow-made. Desde o início da pandemia, quando precisou se isolar em casa como todo o resto do mundo, ele começou a pensar na palavra casa e a investigar referências, como a série Pose.


O resultado pode ser visto no filme Desejo Coletivo, que tem pouco mais de 10 minutos. Dividido em atos, e sob o lema da "esperança por dias mais felizes", ele conta com a participação dos artistas Davi Sabbag, que canta as músicas Dois Livros e Maçã, Bibi Caetano ao som de Dejavu, Alice Caymmi interpretando Como vês e Dani Vieira dando voz à Androginismo.

PUBLICIDADE

Os músicos aparecem em quatro cenários, montados dentro de um estúdio, que são tão verossímeis ao ponto de parecem com os cômodos reais de uma casa. Dentro dessas paredes, modelos e personalidades, como a DJ Valentina Luz e a drag queen Halessia, dançam e vivem cenas de afeto, amor e cuidado familiar.

O curta encerra com a mensagem de que as imagens não são uma utopia, mas um desejo latente de que o próximo verão seja assim. O texto termina ainda com um pedido por vacina, afeto e futuro. "É político e alegre, como a LED, uma liberdade como se fosse a de um sonho. Mas não gosto de pensar que é utopia, porque já vivemos assim. A questão é que isso nos foi tirado por um governo incompetente", diz Celio.

Nas roupas, o ponto-chave é o desenvolvimento de três estampas, em parceria com o artista visual João Vitor Lage. A primeira é a paraíso abstrato, como um esboço do que seria o éden para o estilista. A segunda, chamada de jardim, tem flores, bichos e bichas, recheada de flora, fauna e elementos da cultura LGBTQIA+. A terceira e última, piquenique, tem como referência o vichy com pitadas de surrealismo.

PUBLICIDADE

As estampas foram aplicadas em conjuntos de pijama de seda e viscose principalmente, mas também são vistas em outros looks de modelagem confortável, feitos de linho, moletom, sarja ou algodão. Fora isso, por meio de uma colaboração com a empresa de papeis de parede Branco, esses prints poderão enfeitar paredes de casa.

O crochê, técnica preferida de Celio, aparece com a técnica de upcycling. Peças do acervo da marca foram resgatadas para ganharem detalhes de crochês sobrepostos como uma segunda camada. A militada, outra característica da grife, vem em algumas frases como a "Uma LGBTQIA+ para presidente do Brasil"e a "Abaixo Macho Astral", presente em uma canga que também servirá como objeto de decoração. Toda a coleção já está na pré venda, no site da marca.

Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE