Cadastre-se em nossa newsletter para ler este e outros artigos.

Doses semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas os lançamentos da ELLE!
Inscreva-se gratuitamente.

  • ASSINE NOSSA NEWSLETTER
  • O melhor da ELLE direto no seu inbox! Inscreva-se gratuitamente.
  • INSCREVA-SE AQUI
Beleza

Técnicas de design de sobrancelhas para um efeito natural

Fios penteados para cima e preenchimento pontual de falhas são tendência no design de sobrancelhas, impulsionando procedimentos semi-permanentes como brow lamination e microblading.

Foto: Svetikd/Getty Images

design de sobrancelhas

PUBLICIDADE

Depois de um longo domínio dos supercílios bem marcados, ultra preenchidos e sem nenhum pelo fora do lugar, a busca por um design de sobrancelhas mais natural tem crescido bastante. No lugar do lápis cobrindo toda e qualquer falha e do corretivo contornando bem a área, os fios penteados para cima com aparência arrepiadinha são a pedida da vez.

Esse cuidado ajuda a dar mais volume de maneira orgânica, além de criar certa harmonia com os pelos que escapam do arco perfeito. Outro ponto é que muita gente aproveitou a quarentena se despedir da pinça, cera ou linha e, assim, redescobrir a forma original da sobrancelha. O que não significa que desistiram de dar atenção aos fios da região, pelo contrário: penteá-los para cima é uma forma de valorizá-los e ainda causar um efeito lifting no olhar.

Com isso, técnicas que visam justamente favorecer o visual volume máximo com naturalidade estão se popularizando. Quem se incomoda com os fios mais longos enrolando ou sente dificuldade em deixá-los para cima, vai adorar o brow lamination. Já o microblading é ótimo para quem tem a sobrancelha mais rala e quer um pouco mais de impacto. Conheça um pouco mais sobre elas:

Brow lamination ou sobrancelhas laminadas

O que é o brow lamination?

"É uma técnica que permite levantar e alinhar os fios das sobrancelhas", explica Lohana Santana, designer de sobrancelhas do salão Glow Experience, em Belo Horizonte. Com isso, elas aparentam estar mais volumosas e algumas falhas acabam sendo cobertas. Criado na Rússia, o método chegou ao Brasil entre 2018 e 2019, quando o estilo penteado para cima com um ar mais natural começou a fazer sucesso.

Como é feito?

O procedimento é feito em 3 etapas: permanente, fixação e nutrição. O primeiro tem o mesmo nome ao da técnica capilar porque é usado exatamente o mesmo produto. "O fio da sobrancelha é igual ao do cabelo, tem cutícula, córtex e medula. Então a gente vem com um produto que adentra as primeiras camadas e quebrar essa estrutura, permitindo que o pelo seja remodelado", ensina Lohana.

Depois é aplicada outra solução para reestruturar os fios e mantê-los lisos do jeito que você penteou. Por último, os nutrientes que foram perdidos no processo são repostos, garantindo a saúde e a maciez do pelo. "Tudo isso demora cerca de 1 hora para ser feito em quem tem a sobrancelha de fina a média e, aproximadamente, 1 hora e vinte para quem tem ela mais grossa", diz a expert.

Como cuidar em casa?

Apesar de facilitar com que os fios das sobrancelhas fiquem para cima, o brow lamination não os deixa intactos o tempo todo. É preciso pentear todos os dias para garantir que eles se mantenham em pé, principalmente ao acordar, depois do banho ou de trocar de roupa, que é quando eles costumam dar uma bagunçada.

Também é importante nutrir cerca de duas vezes por semana com a mesma solução usada na terceira etapa do procedimento para seguir repondo a nutrição e mantê-los fortes. Segundo Lohane, a maioria dos profissionais costumam dar potinho com esse produto para os clientes levarem para casa ou indicam onde comprar.

Quanto tempo dura?

De 4 a 6 semanas. "Isso vai depender dos hábitos da cliente. Se é uma pessoa que pratica muito esporte ou faz natação, por exemplo, a duração acaba sendo mais curta por causa da transpiração excessiva e do maior contato com a água", pontua a designer de sobrancelhas.

Microblading ou fio a fio

O que é o microblading?

"E um método que respeita as características da cliente tentando fazer fios artificiais iguais aos naturais dela. Isso cria um efeito de camuflagem e ninguém percebe que ela tem micropigmentação, dando um resultado mais orgânico", define Talitha Azevedo, micropigmentadora dona do Talitha Beauty Studio, em Araraquara. Criada em 2014 pelo sérvio Branko Babic, a técnica é uma adaptação de um tipo de tatuagem japonesa semi-permanente.

Como é feito?

São desenhados traços na sobrancelha com uma ferramenta especial chamada tebori, que é como se fosse uma caneta com micro-agulhas na ponta. Ela é mergulhada em uma tinta exatamente da mesma cor dos fios da cliente – nem mais clara, nem mais escura – e os pelos são desenhados um a um.

Antes disso, é feita uma avaliação para chegar no resultado mais orgânico possível. "Damos atenção para onde há falhas, sem preencher ela toda", conta Talitha. Em seguida, é feita uma marcação na região para a cliente ver como ficará. Só depois de aprovado, o processo semi-permanente se inicia. A sessão leva cerca de 1 hora e meia.

Trinta dias depois, é preciso retornar para avaliar a cicatrização e corrigir possíveis falhas que possam surgir nesse processo. "Em pouco mais de uma semana, já perde-se uns 30% da intensidade da cor. Então, quando a cliente volta para o retoque, os fios já estão fininhos, cicatrizados e delicados", explica.

Como cuidar em casa?

Como em qualquer tipo de tatuagem, alguns cuidados são necessários para ajudar na cicatrização. Talitha recomenda que o local seja higienizado com sabonete neutro por 10 dias. Nesse mesmo período, é importante passar também uma pomada cicatrizante. Já no primeiro mês, há uma série de coisas que devem ser evitadas: exposição ao sol, sauna, mar e piscina, fazer tratamentos a lazer ou com ácido, tomar antibiótico e antiinflamatório, passar maquiagem e ficar passando a mão suja na região.

Quanto tempo dura?

A manutenção deve ser feita entre 6 e doze meses, quando a tinta começa a sumir. Segundo Talitha, esse tempo vai variar de acordo com tipo de pele da cliente e dos cuidados que ela realiza. Costuma sair mais rápido nas peles oleosas, a fixação é maior nas secas. "De qualquer forma, os fios somem até não ter mais nada se ela nunca mais aparecer para retocar", garante a micropigmentadora.

Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE