Cadastre-se em nossa newsletter para ler este e outros artigos.

Doses semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas os lançamentos da ELLE!
Inscreva-se gratuitamente.

  • ASSINE NOSSA NEWSLETTER
  • O melhor da ELLE direto no seu inbox! Inscreva-se gratuitamente.
  • INSCREVA-SE AQUI
Colunistas

Cuidar do seu dinheiro é cuidar de você

As fundadoras do projeto Invista como uma garota vão mostrar que manter a vida financeira em ordem tem muito mais a ver com nossos hábitos do que com matemática. E os benefícios de fazer escolhas melhores vão muito além de uma conta no azul.

PUBLICIDADE

BRANDED CONTENT

Muita gente acha que para cuidar bem do próprio dinheiro "tem que ser de exatas". Ou ainda: "precisa gostar de planilha", "ser mão de vaca", "ter muita grana", e por aí vai. Mas olhar para os nossos gastos, poupar e investir não é só sobre matemática ou sobre gostar de tabelas. Isso pode ser uma mão na roda em alguns momentos, sim, não vamos mentir. Saber administrar a vida financeira, no entanto, é algo muito mais comportamental e de autoconhecimento: envolve entender como funcionamos, saber quais são as nossas influências e referências, nossas vontades, nossas fraquezas… Enfim, coisas que às vezes são até inconscientes. E aí, conhecer a teoria do que queremos mudar ou entender o que não está legal é uma coisa – mudar efetivamente de comportamento é outra. E esse é o desafio principal.

Aqui, a gente pode fazer um paralelo para ilustrar isso. Pense numa pessoa que decide adotar um estilo de vida fitness, com exercícios regulares: ela compra um tênis novo, se matricula na melhor academia, mas nem saiu ainda para fazer a primeira caminhada. É mais ou menos como a pessoa que estuda um tempão sobre investimentos, faz vários cursos, lê um bando de livros e ainda não se sente confortável para dar o primeiro passo e tirar o dinheiro da poupança. Quer dizer, a parte técnica ajuda, óbvio, mas o que realmente faz diferença é a mudança de comportamento.

PUBLICIDADE

Cuidar do nosso dinheiro tem a ver com nossos hábitos e com um pouco de planejamento em relação ao quanto ganhamos e qual padrão de vida podemos sustentar – o que requer simplesmente contas matemáticas simples, de mais e menos – e, então, conseguirmos investir.

Você sabe exatamente quanto ganha e quanto gasta? Você sabe o que tem nas próximas faturas do seu cartão? Quanto dinheiro tem na sua conta corrente agora? E o quanto você ganha realmente, descontando os impostos? O ponto de partida para cuidar melhor do nosso dinheiro é simples, não envolve matemática avançada: é, antes de tudo, uma questão de olhar para dentro e saber como estamos e se a conta está fechando. Evidentemente, é possível deixar esse assunto mais complexo (só se você quiser também!). Mas para dar esse primeiro passo, o da mudança de comportamento, não é necessário começar no maior nível de complexidade – comece com o básico, com o mais simples. Conheça de verdade seus gastos, sua renda, seus custos.

PUBLICIDADE

A gente acredita que um grande facilitador para essa virada de chave é estarmos rodeadas de pessoas próximas que já deram esse primeiro passo e com quem a gente se identifique – trazendo esse assunto para dentro da nossa rotina. O nosso projeto, Invista como uma garota, nasceu em julho de 2018 justamente dessa nossa vontade de compartilhar experiências sobre finanças em espaços seguros e ajudar mulheres a darem esse pontapé inicial. Nesses quase três anos, já realizamos dezenas de conversas com mais de mil mulheres e foram muitas as lições – que vamos orgulhosamente e com muito carinho compartilhar aqui, com vocês, nos próximos meses.

Mulheres falando de dinheiro são uma revolução. Mulheres batendo no peito com a confiança de que merecem ganhar mais, negociando salário, ajudando umas às outras no mundo das finanças, cobrando o preço que merecem: isso é uma revolução, porque nasce da autoestima, da forma como enxergamos o nosso lugar no mundo e o nosso valor na sociedade e nas relações.

Demorou, mas agora ganhamos nosso próprio dinheiro e temos o direito de administrá-lo como bem entendemos. Cada vez mais, temos outras mulheres como referência para nos orientar sobre esse assunto. Então, sim, demorou, mas agora vamos cuidar bem dele – porque isso é cuidar de nós mesmas. Vamos ser independentes. Vamos usar o dinheiro como ferramenta de liberdade, de potência, de escolhas, de saúde mental, de paz.

Estaremos juntas aqui, na ELLE, ao longo deste ano, trazendo reflexões, aprendizados e conteúdo técnico para que possamos, cada vez mais, administrar melhor nosso dinheiro, assumindo assim o controle das nossas narrativas para vivermos as histórias que sonhamos.

A economista Aninha Baraldi e a contadora Vic Giroto são as fundadoras do Invista como uma garota, projeto que cria espaços acolhedores para mulheres falarem sobre dinheiro, aprenderem juntas, fazerem escolhas financeiras melhores e serem independentes.

Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE