PUBLICIDADE

Há quem diga que, este ano, está mais fácil acompanhar o Oscar (confira a lista completa de indicados aqui). Depois de uma temporada de salas de cinema fechadas por causa da pandemia de coronavírus, a maioria dos filmes indicados à premiação chegou ao público pelos serviços de streaming, especialmente Netflix e Amazon Prime Video. Mesmo a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood, antes tão inflexível, foi obrigada a afrouxar as regras de exibição de um filme para que ele fosse elegível ao prêmio.

Mais fácil ou não, preparamos um guia dos filmes nomeados que já estão disponíveis no Brasil e onde assisti-los. Confira:

​Mank — Netflix​


Mank
acompanha o roteirista Herman Mankiewicz e sua relação com Orson Welles nos bastidores da produção de Cidadão Kane, que viria a se tornar um grande clássico do cinema. Produzido pela Netflix, o filme acumulou nove indicações ao Oscar 2021, recorde deste ano: Melhor Diretor, para David Fincher; Melhor Ator, para Gary Oldman, Melhor Atriz Coadjuvante, para Amanda Seyfried, Melhor Direção de Arte, Fotografia, Figurino, Maquiagem, Som e Trilha Sonora Original.

O roteiro de Mank foi escrito há três décadas por Jack Fincher, pai do diretor David Fincher. Até a Netflix assumir o projeto, o diretor teve dificuldades de encontrar uma produtora que aceitasse rodar um filme em preto e branco. O longa teve uma pequena estreia em cinemas dos Estados Unidos, e no Brasil, está disponível exclusivamente pela plataforma de streaming.

Os 7 de Chicago — Netflix


Outra produção da Netflix, Os 7 de Chicago reimagina o julgamento de sete ativistas políticos acusados de, no ano de 1968, encabeçarem um grande protesto em Chicago contra a Guerra do Vietnã. Eles responderam pelo crime de conspiração nos Estados Unidos. Além de Melhor Filme, o longa de Aaron Sorkis concorre também ao Oscar de Melhor Ator Coadjuvante, para Sacha Baron Cohen, Roteiro Original, Fotografia, Edição e Canção Original, para o tema do filme "Hear My Voice".

O Som do Silêncio — Amazon Prime Video

O Som do Silêncio usa a sonoplastia para contar a trajetória de Ruben, um baterista de heavy metal que, da noite para o dia, perde a audição. O filme, produção original da Amazon Prime Video, é um dos favoritos para a categoria de Som — nova no Oscar, uma fusão dos prêmios de Edição de Som e Mixagem de Som — desbancando o favoritismo dos filmes de guerra, que geralmente levam a estatueta. Riz Ahmed, que interpreta o músico concorre ao prêmio de Melhor Ator; Paul Ricci, de Melhor Ator Coadjuvante, e o longa também está no páreo para levar a estatueta de Melhor Edição.

Uma Noite em Miami — Amazon Prime Video


Uma Noite em Miami coloca, frente a frente, quatro dos principais expoentes do movimento negro nos Estados Unidos dos anos 1960, Malcolm X, Muhammad Ali, Sam Cooke e Jim Cooke, durante uma noitada fictícia na cidade de Miami. O filme, disponível na Amazon Prime Video, concorre ao prêmio de Melhor Ator Coadjuvante para Leslie Odom Jr (que interpreta o cantor Sam Cooke), Roteiro Adaptado e Canção Original, por "Speak Now".

Borat: Fita de Cinema Seguinte — Amazon Prime Video


Apesar de não ter sido indicado ao Oscar de Melhor Filme, Borat: Fita de Cinema Seguinte chamou a atenção das premiações de cinema em 2021. Como o título sugere, o filme continua a história do repórter do Cazaquistão Borat, que, após 12 anos, volta aos Estados Unidos para uma reportagem sobre a Era Trump. A produção já rendeu o Globo de Ouro de Melhor Atriz Coadjuvante para Maria Bakalova, que repete a indicação no Oscar. O longa concorre, também, ao prêmio de Melhor Roteiro Adaptado.

A Voz Suprema do Blues — Netflix

Ma Rainey foi uma das primeiras cantoras afro-americanas a fazer sucesso nos Estados Unidos. A Voz Suprema do Blues acompanha um dia no estúdio de gravação com a artista e sua banda, que tem como trompetista Levee, interpretado por Chadwick Boseman, seu último personagem nos cinemas. O drama da Netflix é inspirado na peça homônima escrita em 1984 por August Wilson, e está no páreo para os prêmios de Melhor Ator para Boseman; Melhor Atriz para Viola Davis (que, em 2018, ganhou o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante); Melhor Direção de Arte, Melhor Figurino e Melhor Maquiagem.

Meu Pai — On Demand

O longa, que concorre a seis estatuetas, chegará aos serviços de aluguel on demand como Now, Itunes e Google Play, Sky Play e Vivo Play no próximo dia 9 de abril. A trama acompanha o doloroso processo de demência de um idoso que recusa a ajuda de cuidadores e, especialmente, da filha, Anne. Pouco a pouco, no entanto, o personagem perde a memória e passa a não reconhecer nem mesmo a família. Além dos prêmios de Melhor Ator para Anthony Hopkins, o pai, e Melhor Atriz para Olivia Colman, a filha — que já receberam a estatueta em edições passadas — o longa está na corrida para as categorias Melhor Roteiro Adaptado, Direção de Arte, Edição, além do prêmio máximo da noite, de Melhor Filme. Apesar de disponibilizar o longa nos serviços on demand, a produtora Califórnia Filmes não descarta estreá-lo nos cinemas, quando for possível.

Soul — Disney+

Soul chegou ao Brasil direto no Disney+ e concorre às estatuetas de Melhor Animação, Som e Trilha Sonora Original. O longa acompanha Joe Gardner, o primeiro protagonista negro da Pixar. No mesmo dia em que lhe oferecem uma promoção na escola em que ensina, um ex-aluno o convida para participar da banda da famosa cantora de jazz Dorothea Williams (Angela Basset).

Joe, no entanto, morre antes de tomar uma decisão. Mas sua vontade de viver o desvia do caminho para o "outro lado" e o leva para o lugar onde as almas são treinadas antes de serem enviadas à Terra. Ele, então, tem uma nova chance: se convencer a teimosa 22 (Tina Fey) que viver vale a pena, ele, então, poderá voltar à Terra. A animação arrancou lágrimas do público nas redes sociais, mas resta saber se amolecerá, também, o coração dos membros da Academia de Artes e Ciência Cinematográficas de Hollywood.

Dois Irmãos — Disney+


Dois Irmãos foi um dos últimos filmes a estrear no Brasil antes do fechamento das salas de cinema devido a pandemia de coronavírus. Como Soul, a animação é resultado de uma parceria entre Disney e Pixar, e acompanha a aventura de — como o próprio título diz — dois irmãos que tentam reviver o pai, mas acabam, sem querer, trazendo apenas metade dele de volta. O longa concorre ao prêmio de Melhor Animação.

A Caminho da Lua — Netflix


A animação da Netflix conta a jornada de Fei Fei, uma jovem determinada a comprovar a existência da deusa chinesa Chang para sua família, que se tornou cética ao longo dos anos, e constrói um foguete para ir até a Lua. A Caminho da Lua disputa o Oscar de Melhor Animação.

Wolfwalkers — Apple TV+


Forasteira do circuito hollywoodiano, Wolfwalkers apresenta ao público a lenda irlandesa dos caçadores de lobos, responsáveis por eliminar a raça a mando de um rei tirano (inspirado em Oliver Cromwell). Junto ao pai, uma menina parte em uma jornada para acabar com a última matilha sobrevivente, mas ela descobre criaturas muito diferentes daquelas pintadas pelas lendas de seu país. A animação está disponível no serviço de streaming Apple TV+.

Shaun, o Carneiro: A Fazenda Contra-Ataca — Netflix

A sequência de Shaun, o Carneiro não era das apostas mais óbvias ao Oscar de Melhor Animação, mas a produção em stop-motion conquistou seu lugar ao Sol na maior premiação do cinema. Dessa vez, o protagonista faz amizade com um alienígena que cai em sua fazenda, e juntos, eles precisam fugir de uma organização que quer capturar o simpático extraterrestre. O filme está disponível na Netflix.

Druk - Mais Uma Rodada — On Demand

O Oscar de Melhor Filme Estrangeiro agora se chama Oscar de Melhor Filme Internacional — e Druk - Mais Uma Rodada é o favorito para estrear o "novo" prêmio. O longa dinamarquês acompanha os altos e baixos na vida de quatro professores — Martin (Mads Mikkelsen), Tommy (Thomas Bo Larsen), Nikolaj (Magnus Millang) e Peter (Lars Ranthe) — que, infelizes, decidem pôr à prova a teoria do psiquiatra Finn Skårderud, que acredita que os seres humanos nascem com um déficit de álcool no sangue. Como? Bebendo o máximo possível (haja fígado!). O longa está disponível para aluguel nas plataformas NOW, Apple TV, Google Play e YouTube Filmes.

Professor Polvo — Netflix

O documentarista sul-africano Craig Foster encontrou uma forma interessante e nada ortodoxa de lidar com as dificuldades de ter um filho adolescente: fugir para o meio no oceano. Em suas viagens, ele conheceu um polvo fêmea, por quem se afeiçoou — e, aparentemente, o carinho foi recíproco. Seu relacionamento com o animal foi registrado no documentário Professor Polvo, que está disponível na Netflix.

Crip Camp - Revolução Pela Inclusão — Netflix

O acampamento de verão Jened, em Nova York, era, nas década de 1960 e 1970, um importante ponto de encontro de adolescentes e jovens com deficiência, seja física ou mental. Produzido por Barack e Michelle Obama, o documentário Crip Camp - Revolução Pela Inclusão reúne entrevistas com ex-campistas e funcionários do estabelecimento, que lutaram por leis em prol da acessibilidade nos Estados Unidos. A produção da Netflix está disponível tanto na plataforma de streaming quanto no canal do serviço no YouTube.

Agente Duplo — Globoplay

Em Detetive Particular, um detetive particular se interna em uma casa de idosos para investigar supostos casos de abusos da terceira idade, denunciados por um amigo cuja mãe é residente no local. O documentário, composto por imagens de arquivo e câmeras de segurança, explora diversos aspectos da velhice, das alegrias aos lutos, e não é para os fracos de coração. Ele está disponível no Globoplay.

Time — Amazon Prime Video

O documentário usa imagens da rede de televisão Fox para retratar a luta de Fox Rich para livrar seu marido da cadeia. Ele foi sentenciado a sessenta anos por ter participado de um roubo a um banco, em 1999.





A noite em que Julia Roberts eternizou o vintage, a transparência inesperada de Barbra Streisand, o roubo do vestido de Lupita Nyong'o e outras curiosidades que marcaram o evento para além da cerimônia.

Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE