Sociedade

A pandemia e a volta às origens

Voltar a morar com os pais ou retornar à cidade natal não costuma ser uma escolha fácil. Nesse ano atípico, no entanto, essa parece ter sido uma oportunidade imposta pela vida para muita gente se redescobrir e aprender sobre si mesma.

Ilustração Gustavo Balducci
PUBLICIDADE

As raízes pernambucanas de Caio Braz, 33 anos, sempre o acompanharam desde a saída de sua cidade natal, Recife, até o Rio de Janeiro, último local onde morou por causa do trabalho como apresentador e criador de conteúdo do canal GNT. Vivendo longe dos pais há 12 anos, mas com as memórias do cheiro da rua, da comida, das plantas e do sotaque nordestino sempre muito vivas, sua rotina era a de um "nômade digital" até março. Ele nem imaginava, neste momento, um retorno às origens tão cedo, já que São Paulo era o novo destino da vez.

Mas além das tristezas, do luto e de uma nova maneira de lidar com a dinâmica do dia a dia, consequências da pandemia de Covid-19 em todo o mundo, o avanço do novo coronavírus antecipou e alterou de forma brusca a rota de Caio e de muitos outros jovens para um caminho já bastante conhecido: a cidade onde nasceram e, em muitos casos, a casa dos pais, despertando lembranças e também um momento de pausa, aprendizagem e autoconhecimento.

"Claro que foi uma decisão que envolveu grana, porque o custo de vida aqui é até 40% mais barato do que no centro de São Paulo. Sempre fui muito conectado com Pernambuco, então, me senti à vontade para reconstruir essa relação. A pandemia despertou esse olhar para quem eu sou, a gente teve muito tempo para pensar nas coisas. E como criamos força e nos conectamos à vida? Não é com festa, com o hype, nesse rolê acelerado de SP. Então, também vim em busca disso, desse acesso maior à natureza, à brisa do mar e de ficar perto dos meus pais, oferecendo algum suporte, porque estava muito preocupado. Agora moro perto da casa deles e sempre fui um filho muito presente, fizemos o isolamento juntos. A pandemia também é sobre solidão, e não sofri com isso."

PUBLICIDADE

A volta aconteceu na companhia do namorado, o ator e diretor criativo Luiz Felipe Ferreira, 31 anos, em março, e entre as descobertas sobre si mesmo, entendeu que precisava de um pouco mais de tempo e de espaço para se cuidar. "Antes eu vivia em ponte-aérea, me alimentando supermal, e agora isso acabou. Hoje, como todas as demandas de trabalho são virtuais e estou em Recife, minha rotina é bem mais saudável, durmo na mesma cama todo dia, algo inédito pra mim. Tem sido uma chance de me concentrar mais e fazer as coisas com mais tempo, refletir sobre os conteúdos que produzo. Era algo que, há anos, eu já precisava", explica Caio.

PUBLICIDADE

Perder-se para se reencontrar

O Nordeste também sempre foi morada do coração e, neste caso, geográfica, de Pedro Yago, 24 anos. Ele deixou o pequeno distrito de Pão de Açúcar, com pouco mais de 20 mil habitantes, no agreste pernambucano, para viver em João Pessoa (PB) e estudar arquitetura. Durante os quatro anos de curso, morou sozinho, fez um intercâmbio de um ano na França e, na volta, passou a dividir um apartamento na capital paraibana com outros três amigos. Com o avanço do novo coronavírus, voltou para a casa dos pais, já que todos decidiram fazer o mesmo para não passarem pelo isolamento social sem a companhia da família.

"Foi uma decisão tomada logo no início, porque não sabia o que estava por vir. Tinha a questão financeira e fiquei com medo das fronteiras entre os Estados fecharem", conta ele. As fronteiras não se fecharam, mas Pedro está tendo que lidar com outros limites nessa nova/velha situação. "No meu apartamento, eu tinha meus objetos, livros, decoração. De repente, me vi na casa dos meus pais, tendo que dormir no quarto da minha irmã mais nova, procurando o melhor lugar para trabalhar. Sinto que me reencontrei com as minhas origens, mas, de certo modo, me afastei de mim mesmo. Perdi a privacidade e a possibilidade de me ocupar com as coisas da minha rotina. Sofro com a falta de silêncio e de um descanso individual", conta ele, ainda sem saber quando retornará à "vida normal". "É como se fora de casa eu fosse quem eu sou e, na casa deles, apenas o menininho que cresceu no interior ao lado dos pais."

Passo para trás

Segundo Andrea Feijó de Mello, professora afiliada de psiquiatria da Unifesp, a família funciona como um sistema, com um modus operandi. Quando a pessoa volta, passa a ocupar aquele mesmo espaço que tinha quando ainda pertencia àquele grupo. "E isso gera essa sensação de ter dado um passo para trás, ela volta para o papel de filho. Vão ser esperadas certas coisas que ela já não faz ou não quer mais fazer, como levar uma rotina sem interferência de ninguém, ter autonomia e liberdade plena. Isso pode trazer um sentimento de infantilização e de perda de tudo o que já foi conquistado", exemplifica.

E é mesmo normal que venha uma sensação de fracasso ou até mesmo de derrota pela perda da independência e liberdade, conquistadas a duras penas. Nessa situação, pondere, aconselha a terapeuta de casais e famílias Marina Vasconcellos. Uma pandemia dessas proporções, afinal de contas, é fato inédito nos nossos tempos. "Estamos em um momento de transição, todas as pessoas estão fragilizadas e tendo que lidar com o que está acontecendo. É preciso ser mais acolhedor com você mesmo, entender que é algo provisório", diz Marina. A readaptação e volta ao convívio familiar, lembra ela, também é um desafio para os pais, que têm sua própria dinâmica e estilo de vida. É algo que depende de muita conversa e negociação entre as partes envolvidas. "Já que é algo inevitável, por que não aproveitar que tem pais que possam acolher e receber em casa, em vez de se afundar em dívidas ou ficar mal?"

Esse foi o questionamento que rondou a cabeça do fotógrafo de eventos Fred Carvalho, do Rio de Janeiro, antes de decidir levar toda sua mudança para o sítio dos pais, em Resende, no interior do Estado. Aos 30 anos, ele tinha uma vida estável com o namorado, o funcionário público Ricardo Fagundes, 27 anos, mas ambos chegaram à conclusão de que seria inviável continuar pagando o aluguel com a falta de trabalhos para ele e a possibilidade de home office para Ricardo. "Sei que é um movimento que poucas pessoas querem fazer quando adultos, mas foi uma maneira de evitar um problema financeiro maior. Minha relação com meus pais é ótima, e a do meu namorado também", conta. Em sete meses, a convivência e a proximidade trouxeram mais ganhos do que perdas: ele aprendeu a direcionar um olhar diferente sobre quem são seus pais e, admite, sobre si mesmo. "Algo mudou na forma como eu ajo ali dentro. Não me vejo mais numa posição de ser só o filho, é mais como se eu estivesse na responsabilidade de dividir demandas. Vivendo agora algo mais parecido com a relação deles, percebo coisas do tipo: 'putz, odeio quando meu pai faz isso com a minha mãe'. Só que eu faço igual com o meu namorado. [risos]"

O reencontro com a cidade natal

Em alguns casos, a dificuldade não está na readaptação familiar, mas, sim, no choque de se deparar novamente com suas origens geográficas. Rio Claro, no interior de SP, e a artista e marionetista Daiane Baumgartner, de 36 anos, sempre foram estranhos um ao outro. Para que a relação melhorasse, foi preciso disposição e um olhar mais carinhoso e de acolhimento àquele lugar que sempre abrigou toda sua família. "Nunca me imaginei voltando para cá, negava isso de todas as formas. Esse relacionamento com a cidade era conturbado, nossas energias são diferentes e aqui nunca teve nada para mim. Sempre fui agitada, querendo ganhar o mundo, ir para São Paulo, aquele lugar gigante" diz ela. Há dez anos, a capital paulista deixou de ser só um sonho e tornou-se uma realidade – até o momento em que o isolamento social chegou e, com ele, trouxe a volta à convivência familiar e a possibilidade de Daiane aparar de uma vez por todas suas arestas com a cidade natal. "Muitos dos meus trabalhos foram cancelados e precisei me reinventar, criando espetáculos com bonecos online ou organizando cursos e oficinas virtuais. Estar aqui trouxe calma para os meus dias, tenho mais tempo para fazer minhas pesquisas, meus bonecos, testar material. Estar mais perto de quem amo me faz valorizar essa relação, porque sempre fiquei muito sozinha, aprendi a ser sozinha. E, agora, estou tentando aprender a não ser mais [sozinha]", reflete.

Ainda que Daiane tenha feito as pazes com Rio Claro, ao voltar para a casa dos pais na cidade onde nasceu e cresceu, ou se a mudança for iminente, não é um bom negócio fazer comparações com o local escolhido para viver sozinho. "Isso só vai trazer infelicidade e frustração. Cada lugar tem suas coisas boas. Que tal tirar proveito disso? Valorize, coloque-se de forma aberta, disponível para o novo. Questione-se: o que posso fazer para ajudar essa cidade? Posso dar algo de mim para quem está aqui? Enfim, tente encarar como algo bom", diz a terapeuta Marina.

E quem diria que, com apenas 22 anos, a estudante de direito Giovanna Ferraro, no início das descobertas das delícias (e dores) da vida adulta e dos desafios em trilhar o próprio caminho, saberia lidar tão bem com o trajeto de 87 quilômetros que separa São Paulo de Valinhos? "Apesar de eu estar na minha zona de conforto, me aproximei muito mais dos meus pais; cozinhamos juntos, assistimos a séries, novela. Passei a reparar mais em como é o dia a dia deles", diz. Mesmo definindo o seu "eu do presente" como a moradora da capital, que sai cedo de casa pra estudar, trabalhar, fazer compras no mercado e cozinhar, e o seu "eu do passado" como a filha sem obrigações e dependente, ela se sente agradecida por resgatar antigos hábitos. E, no fim das contas, foi um pouco disso que a pandemia trouxe para todos nós: um pouco do olhar sobre o que éramos, o que somos e o que estamos nos tornando. Para o bem ou para o mal.

O tempo sempre foi visto como nosso inimigo, mas nunca tão cedo como agora. Parte de uma geração que ainda não chegou ou está no auge da produtividade vive a angústia de precisar realizar planos e ter tudo antes que seja tarde demais. Para algumas, já é.



Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE