Cadastre-se em nossa newsletter para ler este e outros artigos.

Doses semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas os lançamentos da ELLE!
Inscreva-se gratuitamente.

  • ASSINE NOSSA NEWSLETTER
  • O melhor da ELLE direto no seu inbox! Inscreva-se gratuitamente.
  • INSCREVA-SE AQUI
Sociedade

Argentina legaliza o aborto no país

Na vanguarda da América Latina, senado argentino aprovou nesta quarta-feira a lei que permite a interrupção voluntária da gravidez até a 14º semana de gestação.

Marcelo Endelli/ Getty Images

Manifestantes escolheram o verde para simbolizar a causa pró-aborto na Argentina

PUBLICIDADE

A Argentina aprovou na madrugada desta quarta-feira (30.12) a lei que permite o aborto no país. Após 12 horas de discussão, o Senado aprovou com 38 votos a favor, 29 contra e uma abstenção o projeto proposto pelo governo do presidente Alberto Fernández, que prevê a interrupção voluntária da gravidez até a 14ª semana de gestação.

O país tornou-se o 67º a legalizar o aborto no mundo, e o 6º latino-americano, atrás do Uruguai, Cuba, Guiana, Guiana Francesa (que é território da França) e Porto Rico.

Em outros países, como o Brasil, Chile e Colômbia, a interrupção da gravidez é permitida apenas em casos de estupro ou quando a vida da gestante do bebê está em risco — como previa a lei da Argentina até o momento.

Manifestantes pró-aborto, que escolheram verde como a cor do movimento, comemoram a notícia.

Imagens da legalização do aborto no país

Marcelo Endelli/ Getty Images

Manifestantes comemoram a legalização do aborto na Argentina


Pelo Twitter, o presidente argentino Aberto Fernández comemorou o resultado:


O projeto havia sido aprovado na Câmara dos Deputados em 11 de dezembro com 131 votos favoráveis, 117 contrários e seis abstenções.

Segundo a nova lei, os serviços de saúde devem realizar o procedimento em até 10 dias após o pedido da gestante. Médicos que não concordam com o aborto não serão obrigados a realizá-lo, mas devem encaminhar a paciente para outro profissional.

PUBLICIDADE

Mulheres com menos de 16 anos só poderão solicitar a interrupção da gravidez com o consentimento dos pais ou responsáveis. Caso haja conflito de interesse entre a grávida e os pais, ela deverá receber auxílio jurídico para proceder com o pedido.

Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE

A ELLE Brasil utiliza cookies próprios e de terceiros com fins analíticos e para personalizar o conteúdo do site e anúncios. Ao continuar a navegação no nosso site você aceita a coleta de cookies, nos termos da nossa Política de Privacidade.

Assine nossa newsletter

Doses Semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas as novidades e lançamentos da ELLE no seu inbox.
Increva-se gratuitamente.