• ASSINE NOSSA NEWSLETTER
  • O melhor da ELLE direto no seu inbox! Inscreva-se gratuitamente.
  • INSCREVA-SE AQUI
Podcast

A moda e o metaverso

Neste episódio do podcast ELLE News, falamos da Metaverse Fashion Week. O que, afinal, é metaverso? O que isso tem a ver com a moda? Explicamos tudo, até a parte que não é tão maravilhosa assim.

PUBLICIDADE



Ouça o ELLE News em: Spotify | Apple Podcasts | Google Podcasts | Overcast | RSS | Deezer | Youtube


Se preferir, você também pode ler este podcast:

A essa altura do campeonato você já deve ter ouvido falar de metaverso. Volta e meia tem alguém afirmando que o metaverso é o futuro da internet, ou surge a notícia de que uma marca de moda lançou isso e aquilo no metaverso. Até o Mark Zuckerberg mudou o nome da sua empresa, Facebook Inc., pra Meta.

Agora mesmo está rolando a Metaverse Fashion Week. Essa semana de moda virtual começou ontem, dia 24 e vai até domingo, dia 27, no Decentraland, que é um mundo virtual em 3D onde os usuários podem comprar seu pedacinho de terra online.

Aliás, o “terreno” no Decentraland onde vai acontecer a fashion week bateu o recorde de preço no metaverso: foi vendido por mais de 13 milhões de reais.

Mas o que é o metaverso, afinal?

Bom, então, antes de tudo, vale a pena a gente explicar um pouco de onde vem toda a ideia dessa internet 3.0, por assim dizer. Pense em uma mistura de distopia virtual com o jogo The Sims, onde a gente criava bonequinhos, trocava as roupinhas deles e interagia com nossos amigos.

PUBLICIDADE

O metaverso foi inspirado no livro Snow Crash, de Neal Stephenson, em que humanos interagem entre si por meio de avatares em um espaço virtual. E também na obra Jogador número 1, de Ernest Cline, que foi adaptada ao cinema por Steven Spielberg, onde era possível viver várias experiências dentro de diversos universos.

Bom, esse “novo espaço virtual” será um ambiente digital onde poderemos interagir, trabalhar, socializar, namorar, jogar, ver shows e conhecer novas pessoas, tudo isso sem sair de casa. Outro detalhe interessante de pontuar sobre o metaverso é que ele também tem a ver com tecnologias de realidade aumentada e realidade virtual.

Segundo Mark Zuckerberg, no metaverso você pode “se teletransportar instantaneamente como um holograma para chegar ao escritório sem necessidade de deslocamento, a um concerto com os amigos ou à sala da casa dos seus pais para saber das novidades”.

Você ainda não entendeu direito o que é o Metaverso? Não precisa se sentir mal. Tem muita gente que também não entendeu nada e tá falando muita besteira por aí. E quem diz isso e a Olivia Merquior, diretora criativa da Brazil Immersive Fashion Week, um evento imersivo e digital, onde várias marcas apresentaram suas coleções dentro de uma espécie de metaverso.

PUBLICIDADE

“A palavra metaverso, assim como NFT, eu sinto que ela foi sequestrada pelo mercado e alçada como uma grande oportunidade milagrosa dos negócios se reinventarem frente a crise econômica e política instaurada pela pandemia. Mas o que eu sinto também é que a maioria das pessoas tem se preocupado muito em entrar no metaverso – e eu to dizendo entrar no metaverso entre aspas – antes mesmo delas entenderem o que ele significa. Eu vejo que tem muita besteira sendo dita e feita por aí, mas felizmente há marcas apostando nesse novo ambiente a longo prazo, o que eu definitivamente acredito ser um caminho. O metaverso não tem uma porta, não é uma empresa, não é uma semana de moda e definitivamente ele não se resume aos games. Essa apropriação da palavra tem criado desgaste antes da hora. Eu gosto da definição de metaverso que diz que ele é um ecossistema de tecnologias que diluem as fronteiras entre experiências físicas e virtuais, criando um ambiente de realidades híbridas e desterritorializadas.”

Pois é, como disse a Olívia, tem muita marca doida pra entrar no tal do metaverso. Afinal, a gente sabe que aqui, no mundo físico, as roupas que usamos dizem bastante sobre nossa personalidade e identidade. E no metaverso não é diferente.

PUBLICIDADE

A Fashion Week do Decentraland, que a gente citou no começo do episódio, conseguiu reunir mais de 60 artistas, designers e marcas, entre elas, Dolce & Gabbana e Hugo Boss. Além de desfiles, palestras e muitas possibilidades de comprinhas, o evento vai ter até after parties.

E, para além dessa semana de moda, os exemplos das incursões das grifes nesse mundo virtual são vários.

A Lacoste acabou de disponibilizar para os jogadores de Minecraft 30 skins, como são chamados os looks virtuais e acessórios nos games. As skins reproduzem peças icônicas da empresa, como a famosa camiseta polo.

Demna Gvasalia também assinou looks da Balenciaga para o game Fortnite. E o Jardim Gucci, o espaço virtual da Gucci no jogo Roblox, já foi visitado por mais de 20 milhões de usuários.

Muitos outros grandes nomes da moda mundial já estão se movimentando para ganhar espaço por lá, criando lojas e experiências para quem já tem uma vida dentro do metaverso.

E um ponto que vale destacar é que nesse mundo virtual você não precisa se limitar a ter um avatar que reproduz as suas características físicas e o seu estilo no mundo físico. Dá pra dar aquela pirada e assumir a forma que você quiser. E esse é um caminho que pode ser bem interessante pra moda explorar. A Olívia Merquior fala um pouco disso. Merquior continua:

“Diferente desse metaverso dos gêmeos digitais, da simulação do real, a gente fala sobre experiências que amplificam a percepção estética que nós temos de nós mesmos. O metaverso é esse ambiente que você pode se apresentar socialmente como qualquer coisa. Você pode ser um deus mitológico, um animal, uma luz, você pode ter a idade que você quiser, o gênero que você quiser, criar raças que nunca existiram. Se no mundo real nós construímos nossa imagem social através dos acordos e protocolos da cultura de um país, de uma comunidade, de um centro, de uma periferia ou até levando em conta a influência de uma cultura global, no metaverso, nesse lugar sem fronteira e sem território, a gente tem que pensar que escolhas estéticas são essas que nós vamos adotar para construir nossa imagem social. Nossa imagem metasocial. E isso é uma coisa que eu vejo um interesse imenso, principalmente no campo da moda. A moda no metaverso, pra mim, é um lugar de novas experimentações estéticas. Então é um momento pra gente usar as ferramentas das tecnologias imersivas e da própria web 3 para ampliar a forma com que as marcas contam suas histórias, constroem suas narrativas, acessam a audiência, engajam e criam valor para sua marca. A moda no metaverso, pra mim, não deve ser pensada apenas como um 3d que simula um objeto real, uma roupa que existe ou uma NFT. É importante a gente experimentar essas coisas, conhecer, conhecer essas novas possibilidades, mas o mais importante pra moda ter relevância no metaverso é ser capaz de ampliar as ideias que atravessam seus objetos físicos. Então quando a gente pensa na roupa no metaverso, eu penso ela como um meio para experiências virtuais que afetem e expandam os nossos sentidos.”

Quando a gente analisa por esse lado, as possibilidades infinitas do metaverso são realmente empolgantes. Mas, vamos lá: após dois anos de interações sociais reduzidas à tela do computador e do celular por causa da pandemia, será que um novo mundo virtual é realmente onde as pessoas querem estar?

E mais: será que esse tempo todo dentro de casa, em frente da tela, sem interação física ou toque, não tem efeitos colaterais?

O psicólogo Emanuel Querino explica um pouco os danos que podem ser causados na nossa saúde física, mental e emocional ao engajar por tanto tempo nesse novo universo. Emanuel atua no desenvolvimento de inovações tecnológicas aplicadas à psicologia e à neuropsicologia.

“O impacto de ficar tanto tempo olhando para telas varia muito de acordo com a idade e o uso. Quando falamos de crianças pequenas, de 2 a 10 anos de idade, o impacto é mais biológico, pode afetar o desenvolvimento do sistema visual, a noção da criança de profundidade. Então, quando se tem uma criança muito pequena, o impacto se torna mais no desenvolvimento de habilidades. Na medida que essa criança vai envelhecendo, o impacto passa a se tornar mais relacionado ao que ela deixa de fazer na vida dela, presencial ou fisicamente, pra ficar gastando tempo na tela. Aos 4 anos de idade, uma criança está brincando com um brinquedo de montar, que ela tem que pegar na mão, rodar ele na cabeça dela, interagir com esse brinquedo… Se ela `gasta uma hora brincando com isso é o que se espera de uma criança dessa idade, mas se ela passar essa hora numa tela ela perde a oportunidade de desenvolver habilidades que são muito melhores desenvolvidas. Na medida que a criança vai desenvolvendo e vai entrando na adolescência, e a gente vai ficando adulto, o impacto das telas se torna mais prejudicial pelo tempo que é disposto de forma aguda, no sentido de que, no momento, ficar muito tempo aumenta o risco de dor de cabeça, o olho pode ficar mais seco, o impacto se torna ali momentâneo. Só que a lógica que a gente tem na infância ainda se aplica aqui. O tempo que a pessoa tá gastando assistindo uma série sozinha na Netflix, tudo bem isso acontecer se ela não tem mais alguma coisa pra fazer naquele dia, por exemplo sair com os amigos e socializar. Muito do que a gente pensa é muito mais o que poderia estar sendo feito que a pessoa tem interesse ao invés da tela. O que acontece muito hoje é que as pessoas estão deixando de experienciar coisas novas pra fazer coisas que são sempre dentro do mesmo dispositivo, isso cria nelas uma variedade de hobbies que não é tão boa, que é pequena e, por ser pequena, promove experiências menos ricas e por promover experiências menos ricas desenvolve menos e contribui menos pra pessoa se desenvolver em questões psicológicas e por aí vai."

Segundo Emanuel Aquino, as consequências de ficar conectado tanto tempo são parecidas com o que a pandemia fez na nossa saúde mental e psicológica – só que em maior escala, já que não tem data para terminar.

“Eu acho que o metaverso e o trabalho vão ter um impacto muito parecido com o que a pandemia fez com a gente, que é empurrar condições de trabalho que seriam muito mais saudáveis se viessem naturalmente. Por exemplo, empurrar pessoas para o home office, levando em consideração que muita gente não estava adaptada e essa adaptação tem que vir de forma natural. O que acontece hoje, por exemplo, é que muitas pessoas durante o período da pandemia não souberam diferenciar trabalho de vida pessoal. Antes era vou trabalhar e não trazia trabalho pra casa. Se eu trabalho em casa, em que momento eu não trago esse trabalho? O metaverso vai fazer mais ou menos o mesmo efeito, só que agora de forma diferente, no sentido de que se eu me conecto com o metaverso, eu estou automaticamente me conectando num ambiente que pode ser tanto diversão quanto trabalho quanto vida pessoal. Eu não sei muito bem diferenciar uma coisa da outra. Até que ponto eu posso me desligar do trabalho? Será que simplesmente tirar minha conexão do metaverso vai resolver isso? Será que eu consigo fazer isso? Então isso permite às pessoas que estão trabalhando serem mais controladas, porque ficou muito mais fácil você monitorar elas. Se eu estou naquele ambiente, eu sei exatamente se a pessoa tá trabalhando ou não, consigo ver a produtividade dela. As relações de trabalho vão mudar e, sendo bem sincero, eu não sei se isso vai ser tão bom pras pessoas porque, de novo, essa conexão com o trabalho e a vida pessoal está se tornando cada vez mais difícil de identificar o que é o que.”

E, voltando à questão da moda: para além dos danos psicológicos causados pelo tempo de tela, vale dizer que esse nosso mercado depende muito de toque, de texturas, de sensações. Esse tipo de experiência, pelo menos até agora, é impossível de ser traduzida no metaverso – e é delas que saem algumas de nossas memórias mais importantes.

Fato é que as marcas precisam ficar ligadas nas inovações, claro, mas sem deixar de lado o artesanal, o ancestral, e tudo o que fez a moda se tornar o que ela é hoje. Na frente de um computador, parece que muita coisa se perde, né?

Conheça o Frashion Trends: o Desafio, competição de moda do Moda Livre 

Antes da gente seguir com as principais notícias da semana, uma dica super especial, apresentada em parceria com o Moda Livre!

Essa é para quem curte um bom reality show e, claro, adora moda. Ou seja, a gente tem certeza que você vai curtir.

Começou nesta semana, mais especificamente na quarta-feira, no dia 23, o Fashion Trends: O Desafio. Essa é uma competição de moda, feita pelo Moda Livre, com apresentação da influencer Josy Ramos e que conta com Kadu Dantas no júri.

O objetivo do reality é descobrir quem vai ser o novo influenciador parceiro da Moda Livre, que é o braço de moda e de beleza do Mercado Livre.

São quatro participantes: o Gui Gossi, a Ariah, o Victor Michels e a Lele Martins. Eles vão competir entre si em três episódios.

Para você ter uma noção, no primeiro dia os participantes tiveram que provar que conseguem montar um look na hora, em cima de uma tendência sorteada.

O segundo episódio foi ao ar ontem, mas a grande final acontece amanhã, sábado, no dia 26 de março. Não vai perder.

Para conferir, basta acessar o Instagram da Moda Livre. Vai lá em @Modalivre, acompanhe o show completo e torça por seu influenciador preferido.

Nur Abbas vira diretor de design da Yeezy, de Kanye West

E a Yeezy, de Kanye West, o Ye, tem um novo chefe de design pra chamar de seu.

O nome dele é Nur Abbas. O designer trabalhou por cinco anos na Nike. Primeiro ele foi design da Nikelab Apparel e depois assumiu o cargo de diretor de design da Nike ACG.

Antes da Nike, ele trabalhou também em Paris, em marcas como Uniqlo, Louis Vuitton e Gucci.

Esse é um cargo novo criado na marca e significa que Nur reportará apenas ao próprio Ye.

E isso significa que ele passa a trabalhar também em todos os projetos do músico que envolvem a Yeezy, como as colaborações com Adidas, Gap, Balenciaga e a Stemwear que é a linha de roupas do dispositivo de música do empresário, o Stem Player.

De acordo com Abbas: "Estou animado para trabalhar com Ye porque ele é alguém preocupado com o design e o avanço da cultura. na Yeezy, eu vi algumas das pessoas e equipes mais talentosas e estou ansioso para trabalhar com todos."

Paula Raia desfila presencialmente depois de 5 anos longe das passarelas 

Depois de cinco anos sem fazer uma apresentação presencial, um desfile, Paula Raia voltou às passarelas nessa última terça-feira, dia 22 de março, em São Paulo.

Por isso, faz bastante sentido que o seu ponto de partida para a criação de seu inverno 2022 tenha usado aquele momento de se levantar como influência. Sabe aquela hora em que estamos meio dormindo, meio acordando? Os sonhos se misturam um pouco com a realidade, a gente não sabe ao certo o que é real e o que não é.

Essa temática ficou bem evidente desde o cenário, que teve direção de arte de Ana Arietti. Numa sala inteira branca, poltronas e sofás antigos, bem fofinhos e vintage, foram usados como assentos para os convidados. O espaço, como disse nosso editor de moda Luigi Torre em sua crítica, "tinha algo de sonho, um ambiente que só existe na memória, meio empoeirado, meio difuso, carregado de lembranças e sensações".

Nas roupas, destaque para a modelagem molenga e muitas, muitas texturas, de flores tridimensionais, rendas, crochês e jacquards, além das cores quentes de tapete antigo. Pense em marrons, bordôs envelhecidos e verde musgo. E, ah! Fora isso, rolou também uma colaboração com Alexandre Birman em botinhas de cano médio e salto baixo que, cheias de berloque, aumentaram o nível de fantasia e prometem ser um hit de vendas.

Grupo Lanvin entra para a Bolsa de Valores de Nova York 

E aí, Gabe, tá interessado em virar sócio da Lanvin?

Ah, olha que não é uma má ideia!

Pois então, o Lanvin Group, que detém as grifes Lanvin, Sergio Rossi e St. John, entre outras, anunciou que está se fundindo com a empresa Primavera Capital Acquisition Corporation.

O objetivo dessa fusão é possibilitar o lançamento do grupo Lanvin na bolsa de valores de Nova York. Dessa forma, quem quiser ser dono de uma pequena fatia da empresa, vai poder comprar ações da Lanvin, assim como acontece com outras marcas e grupos de moda listados em bolsa de valores, como os conglomerados Kering e LVMH, e a Ermenegildo Zegna.

De acordo com o comunicado oficial do grupo Lanvin, a empresa planeja levantar cerca de 544 milhões de dólares com a venda das ações. E o destino desse dinheiro será expandir o portfólio do grupo, com a incorporação de novas marcas de luxo.

E agora uma curiosidade: a Lanvin é umas das mais antigas maisons de moda do mundo. Foi fundada em Paris, em 1889, pela chapeleira Jeanne Lanvin. Hoje, ela é parte do Lanvin Group, que, por sua vez, pertence ao conglomerado chinês Fosun International.

ELLE View de Março celebra as mulheres acima dos 40 

Como é a sua relação com o tempo? Como você lida com o envelhecimento? O que você ganhou com a idade? Essas questões e muitas outras estão na ELLE View de março, que já está no ar.

Nesta edição, a nossa revista digital pra assinantes fala de moda, beleza e outros temas que você vê todos os meses, mas com uma diferença: os ensaios e reportagens foram feitos sob a perspectiva das mulheres de mais de 40, 50, 60 anos…

E na capa só tem ícone: Alessandra Berriel, Marina Dias, Pathy Dejesus e Silene Zepter, modelos que marcaram época e continuam arrasando na frente das lentes e fora delas, posaram para o fotógrafo Ivan Erick.

E também conversaram com nosso editor de moda Luigi Torre sobre as mudanças que viveram ao longo das décadas, tanto de estilo quanto internamente. Vamos escutar um trechinho do bate-papo com a Alessandra Berriel?

"Eu acho que vejo beleza, na verdade, em todas as idades. A menina de 16 tem uma beleza, a de 25 tem outra beleza, a de 35 tem outra beleza, que as outras não têm. Eu tenho hoje uma beleza que, quando eu tinha 15, eu não tinha. E não tenho mais a beleza que eu tinha com 15. Mas faz parte do viver. Envelhecer é um privilégio que muitas pessoas morrem muito cedo, não tem essa oportunidade de envelhecer."

Pois é, como bem falou a Alessandra, envelhecer é um privilégio. E essa é uma questão que também está na pauta dessa edição, na reportagem que aborda como o racismo estrutural faz com que o envelhecimento acabe sendo muito mais mais duro e solitário para as mulheres negras.

A ELLE View deste mês traz também um dossiê sobre cabelos brancos; dicas de maquiagem – que jogam por terra aquela coisa de "não pode isso", "não pode aquilo" depois de certa idade –; além de reportagens sobre relacionamento, alimentação e até uma matéria especialmente dedicada aos millennials que estão se sentindo velhos antes da hora.

Você ainda não assina a nossa revista digital? Que é isso! Então, corre lá no site e clique no link de assinaturas para ter acesso a esse conteúdo exclusivo. Lembrando que, assim que você faz a sua assinatura, você tem acesso a todas as edições anteriores da Elle View.

E na pílula de beauté desta semana, nosso editor de beleza Pedro Camargo, fala sobre uma tendência que está voltando e emocionando os millennials: o make emo.

"Gente, e não é que o Emo está voltando na beleza, também? Quem é millennial sente, né? Pois é, nesta semana, a Bárbara, nossa repórter aqui de beleza da ELLE, escreveu uma reportagem contando tudo sobre esse comeback. Sim, claro que a gente já tava ligado em toda a movimentação cultural da volta das bandas Emo dos anos 2000 e do quanto a moda já estava atinando para esse fluxo. No entanto, no mundo da maquiagem e do cabelo, antes desta última temporada, as coisas ainda não tinham despontado nesse sentido. Foi muito legal ver que a beleza também acabou entrando nesse bonde. Desfiles de marcas fortes como Roberto Cavalli, Versace, Shiaparelli e Altuzarra, em alguma medida, remontam às franjas laterais de chapinha e o olho preto pesado e borradão. Corram lá para o site para ver as dicas da Rafaella Crepaldi, maquiadora da NARS, e da Kátia Araújo, maquiadora da MAC, para trazer o visual para os dias de hoje sem estereótipos e do jeito mais cool possível. Fora isso, a Bárbara também falou com a Nina Grando, expert em tendências para sacar porque esse movimento ressurgiu nesse momento. Spoileeeer: tem a ver com geração Z e pandemia. Vai lá! Beijinhos emocore hoje, hein?"

E para finalizar o episódio de hoje, a nossa editora de cultura, Bruna Bittencourt, conta o que a gente precisa ficar atento neste Oscar 2022.

"Depois de uma edição com pouquíssimos convidados por causa da pandemia, o Oscar volta ao seu formato tradicional neste domingo. Ataque dos cães, faroeste de Jane Campion, lidera em número de indicações, concorrendo em 12 categorias, seguido por Duna, adaptação de Dennis Villeneuve para o clássico homônimo de ficção científica, com dez. Mas nas últimas semanas aumentaram as chances da comédia dramática No ritmo do coração, que vem ganhando importantes prêmios, levar a estatueta de melhor filme. E tem brasileiro na corrida e na cerimônia: Pedro Kos codirige Onde eu moro, sobre histórias de moradores de rua nos EUA, que concorre a melhor curta metragem. No site da ELLE, confira a matéria sobre onde assistir aos filmes que concorrem às estatuetas – a maioria disponível no streaming –, os indicados a melhor figurino, nossas entrevista com Jenny Beavan, figurinista de Cruella, e com Sian Heder, a diretora de No ritmo do coração. Por aqui, a gente fica com Beyoncé com “Be alive”, de King Richard, que concorre à melhor canção original, assim como Billie Eilish, com o tema de 007 - Sem tempo para morrer. As duas, aliás, se apresentam na cerimônia."

Este episódio usou trechos das músicas Smile, de Lily Allen, na língua do The Sims; Pigstep, da trilha sonora de Minecraft; Heaven and Hell, de Kanye West; Dream a Little Dream Of Me, na voz de Cass Elliot; Rich Girl, de Gwen Stefani; Oração ao tempo, de Caetano Veloso; Saoko, de Rosalía.

E nós ficamos por aqui. Eu sou Patricia Oyama. E eu sou o Gabriel Monteiro. E a gente sempre te lembra: curte o ELLE News? Então, assine o nosso podcast na sua plataforma de preferência, para que você seja notificado toda vez que um episódio novo estiver no ar.

É muito simples! Basta entrar em nosso perfil e apertar o botão "seguir"!

Agora, bora sextar. Até semana que vem!

Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE

A ELLE Brasil utiliza cookies próprios e de terceiros com fins analíticos e para personalizar o conteúdo do site e anúncios. Ao continuar a navegação no nosso site você aceita a coleta de cookies, nos termos da nossa Política de Privacidade.

Assine nossa newsletter

Doses Semanais de moda, beleza, cultura e lifestyle, além, é claro, de todas as novidades e lançamentos da ELLE no seu inbox.
Increva-se gratuitamente.