E SE... a gente parasse com esse papo de consumo consciente?

Sim, precisamos fazer boas escolhas, reciclar o lixo, compostar. Mas não se deixe enganar por uma narrativa de sustentabilidade que tem servido, sobretudo, às corporações.

PUBLICIDADE

E se... nossas roupas fossem livres de veneno?

Iniciativas de sustentabilidade na moda derrapam no uso massivo de agrotóxicos na produção de matérias-primas.

E se... a gente fosse além do "consumo consciente"?

O "consumo consciente" é uma faceta do comportamento individual bastante explorada na moda e tende a ignorar que, enquanto falamos sobre consumir de forma mais consciente, governos e corporações fazem acordos para, exatamente, aumentar o consumo.

E se... as nossas roupas durassem para sempre?

Resolver a questão da moda com o descarte não é tão simples quanto a máxima "menos roupas, com mais qualidade, pagando mais caro por elas".

E se... agíssemos com a coragem da desesperança?

Em sua última coluna do ano, Marina Colerato reflete sobre 2020 e o que aprendemos (ou não) com este ano.

E se... a gente descolonizasse a sustentabilidade na moda?

Sustentabilidade é sobretudo sobre outras formas de habitar o mundo. A imagem de CEOs europeus em salas com ar condicionado discutindo sobre "energia limpa" está longe de contemplar a sustentabilidade como um todo.

E se... moda fosse realmente sobre liberdade de expressão?

Moda, é bom lembrar, não é só roupa. Arte, arquitetura, design, beleza, os lugares que vamos e a forma como nos portamos ou falamos estão sujeitas à moda — e igualmente por meio deles buscamos expressar nosso verdadeiro eu. Mas, como você talvez já tenha notado, não temos conseguido muito bem.

E se... só comprássemos roupas usadas?

Será mesmo que as roupas mais sustentáveis são aquelas que já existem?

E se... não existissem semanas de moda?

Marina Colerato nos leva a pensar em outros mundos e outras modas em sua nova coluna.

Tenha acesso a conteúdos exclusivos
ASSINE A ELLE